Elza Soares

Elza Soares carrega em sua voz e história um retrato da trajetória do povo negro no Brasil. Aclamada como cantora do milênio pela BBC, de Londres, a cantora lançou em 2015 o disco “A mulher do fim mundo” levando ao palco discussões sobre temas como violência contra mulher, racismo e preconceito de gênero.

O espetáculo e álbum causaram enorme impacto no meio artístico, como resultado vieram os prêmios de “Melhor Show Nacional”, da Folha de São Paulo e do Estado de São Paulo, de “Melhor Álbum”, da APCA – Associação Paulista de Críticos de Arte, e de “Melhor Álbum de 2015” e “Melhor Música de 2015” (Maria de Vila Matilde) pela Revista Rolling Stones.

Com seu timbre único, a artista interpreta um pouco de sua vivência de mulher negra e periférica vinda do planeta fome, como ela mesma afirmou durante uma de suas primeiras apresentações no programa de rádio de Ary Barroso, ao ser questionada sobre sua origem.

Elza nasceu no Rio de Janeiro e foi criada na favela Água Santa, no subúrbio de Engenho de Dentro. Filha de um operário e uma lavadeira, na juventude ela trabalhou em um fábrica de sabão e também seguiu o ofício da mãe, até começar a cantar, por volta dos 20 anos de idade. Já no seu primeiro disco “Se acaso você chegasse” foi lançado em 1960 pela Odeon, ela alcançou grande visibilidade. A artista já interpretou músicas de vários nomes da música brasileira, dando as canções uma roupagem marcante com sua voz rouca.

Elza casou-se muito jovem, e teve sete filhos. Um fato de sua vida pessoal que marcou muito sua trajetória foi o casamento com o jogador de futebol Garrincha. Por ser uma cantora jovem e se envolver com um homem recém divorciado, a artista foi massacrada pelo preconceito e o machismo da sociedade. Além deste fato, ela também viveu a dor da perda de quatro dos seus filhos.

Em 1999, Elza sofreu um acidente durante uma apresentação e teve uma lesão na coluna lombar. Apesar de já ter passado por algumas cirurgias, atualmente ela faz suas apresentações sentada, mas isso em nada diminui sua força e altivez dignas das rainhas africanas. Sua coragem de mulher negra é motivo de inspiração e orgulho.

Ao longo de mais de seis décadas de carreira, Elza Soares gravou 34 discos, dois DVDs e participou de seis coletâneas. A diva da música brasileira foi ainda tema de samba enredo da Escola de Sampa Unidos do Cambuçu (2012 – Rio de Janeiro) e da Escola de Samba Bola Preta de Sobradinho (2013 – Distrito Federal).